terça-feira, 27 de novembro de 2018

Quero um portal para mim…

Cris(Foto: Reprodução TVGlobo/uol.com.br)

Existe a tal da invejinha boa? Aquela que não vai fazer mal pra ninguém? Pois se existe, eu acho que estou com ela. Puro sentimento invejoso… Assumo.

Você talvez esteja pensando que inveja é inveja e não tem discussão. Tudo bem. Não contestarei. Então procurarei outra forma para descrever o que sinto, toda vez que eu vejo a Cris Valência, personagem vivida por Vitória Strada, protagonista da novela das seis, da Rede Globo, Espelho da Vida, voltando no tempo e revivendo sua outra encarnação (Júlia).

Ah! Como eu gostaria!…

Talvez nem tanto para reviver minha vida, na vida passada – se é que ela existe de fato – mas a possibilidade de encontrar um portal para o passado e poder estar em outra época, convivendo com pessoas de outro tempo, reencontrando amigos que já perdi, mas, principalmente, encontrando explicações para situações do presente. Afinal quanta coisa nos acontece sem que consigamos encontrar um porquê?! Vai ver que as explicações estão lá no passado distante!

Pois eu me apaixonei pela trama da novela e a acompanho com um sentimento que, se não é inveja boa, eu não sei como nomeá-lo… Desejo de vivenciar o mesmo, talvez... Como eu queria que fosse possível!

Não sou espiritualista, mas não duvido dos seus dogmas. Quem sou eu para querer ser a dona da verdade? Reencarnação é um assunto instigante. Mas não sou curiosa. Nas viagens de Cris, minha invejinha se prende às próprias viagens no tempo. E eu nem precisaria ir tão longe…

Queria ver minha avó menina, morando na Ipanema dos sítios, onde se podia criar cabras. Meu bisavô, italiano construtor de casas, ajudando a por de pé a cidade do Rio de Janeiro. Aliás, o Rio dos corsos nos Carnavais, dos banhos de mar à fantasia, do início dos desfiles das Escolas de Samba…

É querer demais?

A novela trata da produção de um filme, na pacata cidadezinha de Rosa Branca, onde se desenrola toda a história. E a nossa mocinha, Cris, é quem interpretará o papel principal na telona da telinha. Tudo bem amarradinho até agora.

O único preço a pagar (e alto!) é aturar o mau humor constante e as grosserias do personagem Alain, de João Vicente de Castro. Bonitão, mas um mala sem alça!

Vamos ver o que nos aguarda os próximos capítulos.

coracao

Júlia e Danilo(Foto: Globo Reprodução/mdemulher.abril.com.br)

Um comentário:

  1. Eu adoro assistir essa "aventura dimensional"! Em alguns momentos lembra o filme "Em algum lugar do passado".
    Boa dica!!

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade única dos seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião do blog.