segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Ave Maria pra sempre

Ilha do Governador(Foto: G-FIG)

Final de tarde. Venta na varanda. A rede que balança. Sonolenta…

Do outro lado, a Praia do Bananal. Castanheiras sujando a calçada mal cuidada. E o mar agitado traz suas ondas de águas sujas até o paredão.

Verão no Rio de Janeiro, nos idos dos anos setenta.

A menina mais nova brinca com toquinhos de madeira, construindo casas e sonhos. A mais velha acompanha a Oração do Menino Jesus de Praga que começa pontualmente às dezoito horas, no antigo rádio de pilhas. A avó, então, inicia a oração. Ao final, a Ave Maria tocada para marcar definitivamente aquelas tardes mornas das férias de verão...

E quando a tristeza me invade, a solidão, inquietude talvez, recorro-me a ela, tocada do modo mais belo, na minha opinião…

Eu fui a mais velha das duas netas.

Uma cena banal que a gente vive e não imagina que vai sentir tanta falta dela depois…

Tardes de paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade única dos seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião do blog.